diegoeis.com

RSS @diegoeis
Seja o primeiro a comentar tags: saude

O pensamento de um leigo sobre alimentação, saúde e medicina

Perseverar nos maus hábitos por falta de domínio próprio, é o caminho correto para uma vida sem saúde e infelicidade.

Muito incrível como a Dieta Gracie e a Dieta do Mediterrâneo são parecidíssimas (com pequenas modificações) com a dieta que a Ellen White descreve como sendo a correta escolhida por Deus. Sem entrar no conceito se você é Cristão ou não (eu sou), mas se você gosta de alimentação, ela diz que uma alimentação baseada em oleaginosas (castanhas, nozes etc), verduras, legumes, grãos e frutas são o regime perfeito.

Impressionante também é como a carne vermelha não tem lugar definitivo e principal em nenhuma dessas três dietas. Todas elas podem conter carne vermelha, mas em uma quantidade drasticamente pequena. Mesma coisa sobre a carne de porco, que tanto na Dieta Gracie quanto na Dieta Adventista são proibidas.

Alimentação simples

Cada vez mais me conscientizo de que uma alimentação simples sempre é a mais correta. Nenhuma dieta de restrição é uma boa dieta. Não existe restringir gordura nem tão pouco carboidrato, mas o mais sábio é a escolha consciente e inteligente de quais gorduras e quais carboidratos são ingeridos.

É importante pensarmos também na causa e efeito quando falamos sobre alimentação. Sempre que você come alguma coisa, isso vai causar um efeito positivo ou negativo em seu corpo. Geralmente temos o costume de comer pensando exclusivamente no prazer. Pouco se pensa nos efeitos que sua alimentação causa no seu corpo em médio ou longo prazo. Talvez seja por isso que não levamos tanto em consideração todos os efeitos maléficos que a comida ruim ou em demasia causa ao nosso corpo.

Perseverar nos maus hábitos por falta de domínio próprio, é o caminho correto para uma vida sem saúde e infelicidade.

Alimentação como base principal

Ouvi outro dia ouvi um conceito simples: se você faz exercícios regulares, você passa algo em torno de 40 minutos a 1 hora por dia malhando. Muita gente dá uma importância excessiva pra esse tempo, mas se esquece que passamos outras 23 horas do dia sem malhar. Como 1 hora de malhação vai compensar 23 horas de alimentação e sono ruim? Não vai. Nunca.

O exercício é um grande aliado, mas não é o fator principal. Ele regula seu metabolismo, melhora as articulações e principalmente a circulação sanguínea. Ele ajuda a desintoxicar e a regular o funcionamento do corpo, além de melhorar muito sua potência cardíaca. Mas o exercício só consegue fazer tudo isso se você fizer a sua parte nas outras 23 horas do dia.

Outro ponto importante é sobre a qualidade do nosso sangue. Quase nunca ouço nutricionistas falando sobre como a má alimentação pode conduzir o corpo a produzir sangue ruim; além do mais é o sangue que conduz oxigênio, hormônios e outras substâncias pelo corpo todo. Se o seu sangue é ruim, a máquina corporal não funciona direito. Tipo quando você abastece o carro com gasolina de má qualidade. O carro começa a falhar. Ele não tem potência. O motor não responde imediatamente como deveria. Se você abastece regularmente seu carro com combustível ruim, com o tempo as peças irão se deteriorar e seu carro vai quebrar.

Pensa o seguinte: fumar faz mal. Mas você não morre de câncer imediatamente depois de fumar um cigarrinho ou depois de fumar um maço. As causas não são imediatas e muitas vezes demora para os problemas aparecerem. Com a comida é a mesma coisa.

Sempre que nos alimentamos, nunca pensamos no médio ou longo prazo. Nós apenas, comemos. Pensar no quanto e no que comer é importante para que dali 5, 10 ou 40 anos não soframos com alguma doença qualquer. Talvez se os malefícios da má alimentação surgissem mais brevemente, ficaríamos mais espertos.

Mas ao contrário do cigarro e da bebida, a comida é algo que pode fazer bem. Basta se alimentar regularmente com um regime saudável para sentir a mudança na qualidade de vida. Já com o cigarro e a bebida não. Não há como escolher um cigarro que faça bem. Só existem cigarros que fazem mal. Bem como bebida alcoólica.

Eu sei que sempre tem uns babacas que falam: “Ah, mas meu avô fumou charuto por mais de 50 anos e morreu de velhice!” O ponto é: todo mundo vai morrer um dia. Mas eu quero ter vivido bem até chegar esse dia. Viver com risco de infarto, com os joelhos doendo, suando que nem um porco, com dores de cabeça, hipertensão, risco de câncer, diabetes e etc não é uma opção para mim.

Sobre a medicina ocidental

Embora toda a tecnologia tenha avançado, grande parte dos profissionais de saúde tratam apenas os sintomas. Cada vez mais os médicos perdem a capacidade de diagnosticar doenças examinando o paciente. Quantas vezes você já foi em uma consulta onde o médico simplesmente te perguntou o que estava acontecendo contigo e logo depois passou uma penca de exames? O estetoscópio no pescoço e a maquininha de pressão em cima da mesa só vão ser usados, talvez, na segunda ou terceira consulta e só quando ele tiver com os resultados dos exames em mãos.

Não estou dizendo que não devemos fazer exames. Eles são altamente necessários. Mas antigamente os médicos apalpavam os pacientes nas consultas procurando problemas. Não que eu goste de um médico me apalpando, longe disso, mas antes isso fazia parte de uma consulta simples, onde o médico investiga os sintomas.

A medicina ocidental é conhecida por ser uma medicina sintomática. Ela não cura o que ocasiona o problema. Ela cura os sintomas. Fazer você parar de sentir dor é o grande objetivo da Neosaldina, Advil e etc. Você, inconsequente, toma esses remédios e para de sentir a dor, sem nem querer saber porque a dor de cabeça começou. Esse ciclo se repete com diversos outros sintomas e remédios. Isso é péssimo porque você camufla o que o seu corpo está dizendo. Seu corpo faz sua cabeça doer pra mostrar que há um problema. Serve pra você iniciar uma investigação. Mas, pelo contrário, você toma um remédio qualquer, como se estivesse dizendo um “Cala boca” para o seu corpo.

Eu tenho problemas com Hipotireoidismo de Hashimoto. Já fui em alguns endocrinologistas na vida, mas pouquíssimos (acho que um) deles me pediu exames completos de sangue. Eles me pedem sempre o básico, que geralmente é TSH e T4 Livre. É o bastante? Mais ou menos. Qual o nível de iodo no meu organismo? Nem sei se dá para saber isso, mas é mais um indício de que algum médico deveria ter me dito. Nenhum deles me pergunta o que eu tenho comido, se tenho feito exercício, se a quantidade de exercícios está boa ou até investigar, junto com uma nutricionista, se o que eu tenho comido pode estar prejudicando ou ajudando a minha condição hormonal. Nenhum deles nunca me disse se ajudaria ou não a tireoide se eu emagrecesse 20 quilos.

Nunca nenhum endocrino conversou comigo abertamente sobre isso. Pode ser que eu não tenha ido em um endocrino bom? Talvez. Mas eles todos cursaram uma universidade, certo? As universidades são tão ruins assim que ensinam apenas o básico?

Sua saúde é sua e de ninguém mais

É por isso que eu tenho mudado constantemente meus hábitos e meu estilo de vida nos últimos 14 meses. Infelizmente não tenho uma grana pra bancar um nutricionista de alto nível, mas também não quero passar por esses nutricionistas que tiram uma xerox de dieta pronta da gaveta e pede pra você seguir. Esse é o motivo de eu mesmo cuidar da minha saúde e não entregar essa responsabilidade pra um pseudo estudado de meia tigela.

Tenho separado algum tempo para estudar sobre o corpo, nutrição e dietética em meus tempos livres. Tenho investido em tentar conseguir o máximo de dados sobre minha alimentação e exercícios que tenho feito. Fora do Brasil, muitos médicos e nutricionistas tem usado os relatórios gerados por serviços como o FitBit para analisarem seus pacientes. Parece besteira, mas esses dados são seus e podem ajudar você a ter uma vida mais saudável.

A sua saúde é sua e de mais ninguém. Por isso mesmo há pessoas que tratam seu corpo com displicência. São orgulhosos demais para perguntar para seu parceiro ou amigo como fizeram para ter uma vida saudável e são intolerantes demais para ouvir que seu estilo de vida precisa mudar drasticamente.