diegoeis.com

RSS @diegoeis
Seja o primeiro a comentar tags: artigos

Um pouco sobre a experiência de ir trabalhar sem carro

Faz meses que tenho deixado o carro em casa e passado a usar transporte público para ir trabalhar. Não fiz isso por causa do valor que estou economizando por mês (que é bem pouco), mas por uma série de outros motivos.

Desde o dia que eu deixei de usar o carro, consegui ler algo em torno de 22 livros. 

2016 Reading Challenge

2016 Reading Challenge
Diego has completed his goal of reading 9 books in 2016!
hide
22 of 9 (100%)
view books

Link para o GoodReads.

Além disso, estou bem menos estressado. Mesmo pegando algumas vezes o ônibus muito cheio ou tendo que esperar um bocado nos pontos. O que aconteceu é que eu me chateio facilmente com motoristas lerdos, pessoas imprudentes ou simplesmente fico cansado de estar parado por longos períodos no transito. O caminho casa > trabalho > casa não é muito complexo e é praticamente uma reta, mas são 15km com vários pontos de parada.

O tempo

O tempo que eu passava no carro variava entre 1h a 1h20. Com o trânsito muito bom, consigo levar 45 minutos até trabalho. Mas isso é raro e só é possível em horários alternativos. De ônibus, consigo levar de 1h a 1h20 também. E nesse tempo, como falei, aproveito para ler livros, ler emails, ouvir podcasts, ouvir músicas ou simplesmente fico pensando na minha vida feliz. Isso tudo contribui para que eu torne o trajeto mais útil e menos estressante.

Para me ajudar na adaptação, usei um aplicativo chamado Moovit. Ele me ajudou a encontrar várias linhas de ônibus que me fizeram economizar 20 minutos no trajeto casa > trabalho, reduzindo de 1h20 para 1h de viagem.

A vantagem nesse caso foi conseguir basicamente 2 horas extras para leitura e fazer qualque outra atividade (inclusive jogar Hearthstone e Clash Royale). Comecei a assistir muito mais vídeos no TED também, além de conseguir escrever e esboçar artigos pelo celular. 

Gasto

O gasto não foi a principal vantagem, já que não economizei o budget mensal planejado. Eu estava gastando algo em torno de R$350 por mês de gasolina. Hoje, R$167 desse valor é para pagar a passagem do ônibus, o resto eu coloco de gasolina, quando necessário. Eu não cheguei a economizar mensalmente, mas consegui atrasar a revisão do carro em 2 meses, já que o limite de quilometragem não foi alcançado.

Eu costumo ir ao cinema com a minha mulher durante a semana. O percurso é mais ou menos esse:

casa (ônibus) trabalho (ônibus) shopping (uber) casa

Eu troquei os R$20 de estacionamento do shopping, pelo Uber, que dá o mesmo valor. 

Por que não me desfiz do carro?

Eu não me desfiz do carro, por que não seria inteligente. De fim de semana, uso bastante o carro, já que saimos muito e visitamos muita gente. Além de que gostamos de viajar e nesse caso, o carro é bastante útil. Acho que a ideia de manter o carro em casa e usar outro modelo de transporte me ajudou a entender que não existe um meio de transporte perfeito. Dá para usar carro, Uber, bicicleta, ônibus e metrô de acordo com o trajeto e o seu planejamento.

Durante muito tempo eu ouço pessoas com o discurso totalmente contra o carro e a favor da bicicleta (que não é uma opção real para todo mundo). Discordo totalmente dessa opinião. O mais inteligente é usar os vários tipos de modalidades de acordo com a sua necessidade no momento.

Eu sei que em alguns lugares de São Paulo, o transporte é bem precário. Os ônibus são ruins, as linhas não são bem planejadas, causando lotação excessiva nos ônibus e também nos metros, já que a malha metroviária é bem restrita comparado com outras cidades do mundo, embora seja a maior em extensão no Brasil.

Logo, me desfazer do carro seria bobeira, já que posso contar com ele para viajar e fazer passeios mais longos. O que planejo agora é ter, talvez, um carro menor, que gaste menos gasolina.

Com essas adaptações, mais a facilidade de trabalhar em casa, fazendo alguns dias de home office, consigo ter inúmeras vantagens. Além de ficar mais saudável e normalmente mais disposto.