Nomes estranhos e progressão de carreira de um PM

Para falar sobre carreira, gostaria que você tentasse abstrair um pouco
os nomes dos cargos e níveis que são usados no mercado. Não existe um
padrão claro e você vai encontrar nomes diferentes para as mesmas
responsabilidades em empresas diferentes. Não se preocupar em primeiro
lugar com o nome do cargo, mas sim nas responsabilidades exercidas é um
sinal de maturidade que é raro encontrar nesse mundo, e no mercado de
produtos não seria diferente.

Um resumo básico das nomenclaturas que você pode encontrar no mercado
são:

  • APM (Associated Product Manager): Muito comum em startups da
    moda. É um nome para Product Manager Junior. Essa pessoa fica mais
    próxima do time, geralmente exercendo muito o papel tático, o que um
    PO faria, contudo, é importante que comece a aprender bastante sobre
    o mercado e o negócio, já que um PM deve ter um olhar tático e
    estratégico.

  • Product Manager: Um PM comum. Ele pode ou não cuidar de um APM.
    Depende do tamanho da empresa e quantidade de pessoas. Mas o PM
    basicamente é o responsável pela visão do produto, entendimento de
    mercado, alinhamento de necessidades do usuário e expectativas do
    negócio. Num mundo perfeito, existiriam só PM Junior, PM Pleno, PM
    Sênior. Mas, sabe como é, precisamos de faixas salariais
    diferenciadas para justificar investimentos, desenvolvimento
    profissional e etc. então, as outras camadas devem existir.

  • Head de Produtos: A responsabilidade de um Head de Produtos, no
    início, era cuidar apenas de Product Managers. Depois evoluiu para
    cuidar de PMs e Designers. Mas hoje, é muito comum encontrar Heads
    (meu caso), que lideram todas as especialidades que participam da
    construção de um Produto, liderando Tecnologia, Design e PMs.
    Diferente do GPM, que lidera grupos de gestores de Produto, não
    envolvendo as outras especialidades.

  • GPM (Group Product Manager): Líder de um grupo de Product
    Managers. Não cuida do produto diretamente, geralmente está mais
    perto da estratégia, mas seu foco é organização, evolução e
    desenvolvimento das pessoas (no caso os PMs liderados) e
    direcionamento de produto. Nesse caso ele não lidera ninguém de
    tecnologia e muito raramente lidera designers. Diferente do Head de
    Produtos.

  • CPO (Chief Product Office ou Diretor de Produtos): C-Level ou
    Diretoria. Em algumas empresas são dois cargos diferentes. Em
    outras, o Diretor reporta para o C-Level. Nem sempre eles lideram
    Tecnologia, que é delegado para o Diretor de Tecnologia ou CTO. Na
    maioria da vezes, o CPO/Diretor de Produtos lideram o time de Design
    e o de Produtos, mas podem liderar times de tecnologia. Contudo,
    existem empresas que não há um CPO, mas o CTO faz o papel idêntico
    do CPO.

É muito difícil dizer que há um processo linear de progressão, pois isso
vai depender muito da estrutura e do fundamento hierárquico da empresa.
Mas uma coisa é certa: quanto maior o cargo, maior o impacto no negócio,
mais afastado da parte tática do produto, maior impacto no processo e na
cultura, menor impacto na evolução direta das pessoas dos times, maior
necessidade de alinhamento dos gestores, maior necessidade de delegação
de decisões técnicas.

Embora o Diretor / CPO tenham responsabilidades e escopos mais focados
no estratégico e no negócio, isso não quer dizer que eles pararam de
cuidar do time, pelo contrário: eles não estão no dia a dia trabalhando
no tático, decidindo processos por exemplo, mas eles influenciam o time
viabilizando decisões, motivando e fornecendo visibilidade sobre o
negócio e a estratégia da empresa e direcionando as decisões. Guardando
as devidas proporções, isso acontece com todos os níveis.

Dando um exemplo bastante pessoal, foi bem importante eu construir uma
carreira diversificada. Eu fui desenvolvedor, fui coordenador de times
técnicos, fui Product Manager, fui Diretor e Head. Por exemplo: ser
desenvolvedor me ajudou muito como PM para entender qual o timing certo
de priorização de débitos técnicos, saber quando uma estimativa estava
sub ou superestimada, entender qual impacto técnico de uma história de
usuário e também saber como funciona processos. Isso me ajudou também a
liderar times técnicos, inclusive quando eu fui Diretor, onde havia um
gerente de tecnologia liderando times técnicos multidisciplinares.

Ter sido PM, me ajudou a entender como eu posso liderá-los e entender
quais as dores e bloqueios que eles podem encontrar ao tentar se
relacionar outras áreas, ao tentar ganhar influência com o time de
desenvolvimento e também para tentar analisar o mercado. Sem ter sido
PM, não daria para virar Diretor ou Head. Seria um caminho bem mais
difícil.

Esse assunto vai longe, podemos falar mais sobre ele em outras Letters.

Subscribe to diegoeis.com

Don’t miss out on the latest issues. Sign up now to get access to the library of members-only issues.
jamie@example.com
Subscribe