diegoeis.com

June 17, 2022

Priorização: o grande problema de quem gere produtos

Priorização é difícil. Pra mim o problema atual das pessoas que gerem produtos é priorização. Isso se intensificou muito com a migração enorme de pessoas de outras áreas para Produto, mas tenho identificado esse problema desde quando eu era um Coordenador Técnico e lidava diretamente com PMs.

Priorização é a arma mais importante e essencial da gestão de produtos. Só para citar alguns exemplos, a maioria das pessoas têm dificuldades de lidar com priorizações de:

  • débitos técnicos
  • requisições de stakeholders
  • evolução recorrente de produto
  • Itens de OKR
  • Achados de pesquisas e análises
  • Hipóteses e oportunidades

A minha maneira de raciocinar sobre priorização é “simples” e envolve apenas uma variável que deve ser levada em consideração: resultado para o negócio por meio do comportamento do usuário através da entrega de valor percebido pelo uso.

Eu sei. Não consegui simplificar o bastante. Mas basicamente essa é a principal responsabilidade dos PMs.

Muita gente fica aflita com débitos técnicos ou com tracking de dados. Mas não são problemas sérios. O raciocínio deve ser: o débito técnico impede que mudemos o comportamento do usuário? Se sim, o débito técnico faz parte da priorização. Ele não é algo separado da feature.

Imagine que você é PM do Uber e precisa lançar a feature de agendado, mas um determinado débito técnico impede que isso seja feito. O débito técnico faz parte da construção da feature.

“Diego, e os outros débitos técnicos?” Ué, deixa eles lá. A hora deles vai chegar assim que eles estiverem dentro do contexto que precisam ser priorizados.

Mesma coisa com dados. Você só mede o que você faz. Parece óbvio, mas não é. Tem gente que faz tracking se absolutamente tudo na plataforma e não usa absolutamente nada desse tracking. Meça apenas o que você faz. Comportamentos core do usuário devem ser medidos sempre. Mas você não vai trackear uma parte do sistema só por que “quem sabe, né? Vai que precisa.”

As duas threads que você deveria se preocupar

Você já deve ter lido sobre risco e inovação. Se não, leia aqui. A ideia é que você tenha duas threads principais para se preocupar:

  • Entrega de valor para o Negócio, como resultado por meio da mudança de comportamento do usuário;
  • Entrega de evolução para o produto, que cria alavancas para facilitar a entrega de valor para o negócio;

O ideal é que você consiga fazer as duas threads juntas. Mas isso é muito difícil por cuasa do contexto caótico do dia a dia. Trabalhar com software é complexo. Por isso, é ideal que você tente juntar, na medida do possível, os dois interesses. Evoluir o produto enquanto entrega valor pro negócio.

Eu sei que você deve estar se perguntando sobre quando colocamos o usuário em primeiro lugar na equação. Mas o usuário é uma entidade. Tudo o que fazemos deve afetá-lo. O nosso interesse com ele é simplesmente o direcionamento do seu comportamento para resultado pro negócio. Não dá para priorizar ou só negócio ou só usuário. Impossível. Um não existe sem o outro. O negócio existe para resolver um problema ou facilitar a vida das pessoas. E as pessoas só usam seu serviço com a promessa de que o problema delas vai ser resolvido ou pelo menos amenizado. É uma relação de interesse, não de camaradagem. Você e eu trabalhamos para facilitar essa relação. Mas nós trabalhamos para o negócio, não para o usuário.

Na minha opinião, a priorização de produto deveria se basear nessas premissas. A partir daí, tudo o que pode impedir que esse ciclo gire de forma eficiente, deve ser evitado, mitigado ou corrigido.

Livro Gestão Moderna de Produtos Serviços Digitais.

O Produto Digital como um meio de entregar valor para o usuário e para o negócio.

Ver mais