May 28, 2020

Review de Livro: Um Cavalheiro em Moscou

Capa do livro Um cavalheiro em moscou

Cheguei nesse livro por uma indicação do Bill Gates no GoodReads. Decidi pular a leitura de O Tempo em Marte do PKD, para dar uma chance ao Um Cavalheiro em Moscou, de Amor Towles. Que bom que eu fiz isso… Provavelmente a melhor leitura que fiz no ano. Adorei a forma leve da escrita, a história, os personagens e a forma com que foi contada. Não é uma história para ler rápido, mas pra se deixar envolver. É uma história para ser degustada, sem pressa. É um livro onde até as notas de rodapé complementam o enredo principal com detalhes indispensáveis.

Mas um dos grandes pontos altos do livro são os personagens. O Conde é como um guia que apresenta cada um dos grandes personagens do hotel. Um personagem mais maravilhoso que o outro. Cada um deles é carregado de profundidade e muito carisma. Sem entrar nos meandros de cada um, o livro deixa claro nas entrelinhas que todos os personagens têm histórias próprias, provavelmente tão surpreendentes quanto a do Conde.

O Conde, por ser altamente culto, faz com que a história se encha de detalhes que não apenas enfeitam a narrativa, mas que acrescentam assuntos sobre história e cultura russa. É incrível como um personagem pode ser tão acessível e cativante.

A história acontece no final da transformação da revolução russa pelos Bolcheviques, entre 1922 e 1954. Então, foi uma época de mudanças constantes, e que o livro mantém bem destacadas todas as mudanças nesse período para mostrar o quanto o Conde ficou estagnado no tempo. A história se começa com o Conde sendo exilado, aos 23 anos (1922), no Hotel Metropol. Nesse tempo a revolução Bolchevique ainda estava rolando solta, sendo o Conde uma vítima desse movimento de exclusão dos burgueses do controle e influência do país.

Já o Hotel Metropol deve ser maravilhoso. Procurando as fotos na interwebs, da pra formar muito bem a ambientação que o livro se passa. Com certeza irei visitá-la um dia. É um local que viu toda a época de revolução histórica que a Rússia passou.

Todos os diálogos fazem você participar como expectador, sempre alimentando a curiosidade sobre qual será o próximo assunto que os personagens conversarão. Você sempre se sente como um amigo participante das ocasiões.

Esse livro, com certeza, entrou na minha lista de livros favoritos. Eu cheguei nas últimas páginas com o desejo de não terminar o livro… quis arrastar a leitura ao máximo para que a história não terminasse tão cedo.

Recomendadíssimo.