Sobre receber e dar autonomia

February 17, 2019

Quando você se torna líder - entenda que não estou falando de cargos - a vida fornece algumas ferramentas que provavelmente não estavam disponíveis até então. Normalmente essas ferramentas são “desbloqueadas” conforme você atinge alguns pontos de experiência na sua jornada profissional. Uma dessas ferramentas se chama autonomia.

“the ability to make your own decisions without being controlled by anyone else” - Cambridge Dictionary

A autonomia é muito mais efetivo em grupos e empresas que funcionam como sistemas complexos. Muito por isso que em startups e empresas de tecnologia a autonomia é muito abundante, diferentemente das “empresas comuns”. Frequentemente vejo muitas pessoas que não se acostumam ou se sentem desconfortáveis em ambientes complexos, que tem um certo nível de auto-organização e que decisões podem e são tomadas sem ter o aval de alguém “superior”. São ambientes onde o controle e o poder é naturalmente distribuído e pulverizado para as pontas.

É aí então que algumas pessoas se veem numa posição estranha de dar e receber autonomia.

Dar autonomia é difícil

Geralmente estamos em ambientes de comando e controle, onde a responsabilidade de decisão (e também suas consequências) estão centralizadas em alguém do alto da cadeia.

Ultimately, the only power to which man should aspire is that which he exercises over himself. - Elie Wiesel

É simples resolver problemas do dia a dia sendo um chefe “tradicional”, falando apenas para as pessoas se moverem de um lugar para o outro e dando ordens como se só você soubesse de algo que ninguém mais sabe. Geralmente as pessoas não gostam de que alguém diz como elas devem fazer coisas. Mas elas se sentem melhores quando são consultadas sobre como fazer as coisas.

Em um ambiente com o nível de autonomia alto, você como líder cede um pedaço do seu poder para que as pessoas tomem decisões. E é muito estranho quando gestores não entendem o motivo do time estar insatisfeito com o projeto ou com o ambiente. Mesmo o motivo sendo simples: as pessoas ficam insatisfeitas quando elas são obrigadas a fazerem algo que não concordam.

Many “people managers” don’t know a thing about managing people. They prefer talking, meeting, documenting, and socialising, and they think they already know everything. But to know everything, one has to micromanage everything. – Jurgen Appelo

Dar autonomia é essencialmente fatiar o seu poder de liderança e distribuir para todas as outras pessoas do time, deixando que elas, de acordo com as suas responsabilidades e especialidades decidam qual o melhor caminho. Você, como gestor, estará ali para potencializar essa decisão, facilitar a execução e guiá-los para um lugar melhor.

Quando o time trabalha com empoderado com autonomia, ele vira um organismo vivo.

A velha analogia do gestor sendo um mago

Eu gosto muito da analogia de que o gestor é parecido com um Mago. Se você perceber, em histórias de fantasia, o mago é um dos personagens que aparece pouco, mas quando aparecem, geralmente é decisivo para a história. Geralmente o mago não é o cara que participa de todas as batalhas, não é ele que faz o trabalho real. Não foi o Gandalf que carregou o anel durante a história. Contudo, o Mago é o que ajuda o grupo a ter sucesso. É ele que sempre aparece sempre trazendo uma arma impressionante, fazendo um feitiço para ajudar o grupo, trazendo uma informação que só ele conseguiria obter etc… O gestor precisa ser mais como o Mago.

Ah, claro… foi o Gandalf que praticamente deu a missão para o Frodo. O gestor também se encaixa nesse caso, já que é ele que geralmente traz as demandas impossíveis. ;-)

Quando comecei a escrever esse texto, eu queria ter escrito mais sobre a arrogância dos gestores que acham um desaforo compartilhar com outros os seus poderes exclusivos de decisão. Para muitos gestores é difícil dar a autonomia e empoderar seu time, pois eles não querem perder essa “posição de status”.

Dar autonomia é difícil pois além de mexer com o ego, envolve também o nível de confiança que o gestor tem nas pessoas do time, envolve o medo de ser avaliado pelo trabalho dos outros, envolve o medo de falhar, de não estar no controle etc… São motivos totalmente válidos e que dá assunto para diversos outros artigos.

A leader is the best, when people are hardly aware of his existence, No so good, when people praise his government, Less good when people stand in fear, Worst, when people are contemptuous. Fail to honour people and the people will fail to hour you, But of good leader who speaks little, When his task is accomplished and his work is done, The people say, “We did it ourselves”. – Lao Tzu

Mas se dar autonomia pode ser desconfortável, receber também é. Embora muitas pessoas desejam ter autonomia e reclamam de chefes e empresas onde o nível de autonomia é baixo, quando o desejo de autonomia se torna realidade, muitas dessas pessoas se perdem e ficam confusas. Não por que não nunca tiveram autonomia antes, mas por que a autonomia não vem sozinha.

Receber autonomia é difícil

Pessoas que trabalham num ambiente altamente controlados demoram para se acostumar quando migram para um ambiente auto-organizável. Elas só conseguem trabalhar com limites e não restrições. É por isso que quando se recebe uma dose de autonomia, é comum se sentir sozinho e largado num deserto, onde você pode tomar qualquer caminho.

As pessoas não estão acostumadas com a liberdade de decisão.

Receber autonomia é difícil pelo simples motivo de que ela não vem sozinha. Todo mundo quer decidir coisas e não sofrer as consequências ruins caso uma má decisão for tomada. Mas não é assim que funciona com a autonomia. Você nunca recebe autonomia pura e simples. Pelo contrário: ela vem num pacote muito mais complexo, que inclui maiores responsabilidades, consequências e impactos.

É um poder que deve ser usado com cuidado. Um time de desenvolvimento pode ter nas suas mãos a autonomia de decidir qual tecnologia que a empresa utilizará. Mas e se a tecnologia escolhida ficar obsoleta em poucos anos? E se ela não resolver realmente os problemas esperados? E se ficar mais difícil de encontrar pessoas para contratar? E a manutenção?

Autonomia quer dizer oportunidade

Mas é importante notar que em ambientes com alto grau de autonomia, você também tem oportunidades únicas de crescimento. Sua pró-atividade (que também pode ser um problema) é sim avaliada pelos pares e gestores. Como você tem um potencial maior de impacto, é importante dosar estrategicamente até onde você quer ir com sua autonomia, dosando o impacto e as consequências que você está disposto a assumir.

Outro ponto é que com poder de autonomia, você passa mais tempo refletindo e planejando próximos passos. O processo para tomar decisões se torna mais longo e pode te consumir muito mais do que antes. Você passa a pedir mais conselhos e opiniões, você passa a observar mais. Com autonomia, todos são um pouco gestores.

É importante também deixar claro para o gestor (e ele também precisa fazer uma análise prévia das suas skills), que você pode não ter as skills necessárias para receber autonomia para executar determinadas tarefas. Você pode não ter ideia dos resultados das suas decisões. Você pode até ter as skills necessárias, mas não tem as ferramentas necessárias. Você pode precisar de mentoria para executar algumas tarefas. E tudo bem se isso tudo acontecer. Esse é o processo para que você consiga exercer seu poder de autonomia. Deixar claro esses pontos é importante para você conseguir entender suas restrições e também para o gestor dosar quanta autonomia ele te dará.

Conclusão

Eu escrevi esse texto com um propósito claro: não é fácil receber nem dar autonomia. Vi tantos gestores e times que poderiam ter ido tão mais longe se tivessem usado bem a autonomia. Quando falamos sobre autonomia encostamos em uma série de outros pontos que devem ser estudados com atenção por qualquer gestor como alinhamento, delegação, autoridade, empoderamento, influencia, liderança situacional entre outros.

Se você é líder, tenha paciência ao dar o poder de decisões para o seu time. Geralmente eles não tomarão a mesma decisão que você e não farão na mesma velocidade. Se isso acontecer: está tudo bem. É um exercício doloroso que você tem que praticar todos os dias. Não faça microgerenciamento. Mesmo que seja temporário. Você vai sentir a necessidade de entrar no operacional pra tentar entender como as coisas estão, e mesmo que seja para perguntar se precisam de ajuda, isso é sim microgerenciamento. Mesmo que seja superficial.

Se você recebeu autonomia agora, não tenha medo. Você agora tem um poder incrível na sua mão de decidir coisas e realmente executar da forma que você acha melhor. Mas você não precisa fazer isso sozinho. Use seu gestor para ter conselhos e guiar melhor as decisões. Converse bastante com seus pares e outras pessoas. Não tenha medo de tomar suas decisões. Se seu gestor te deu autonomia, é porque ele está pelo menos confiando no seu taco. Por isso, aprenda a usar essa ferramenta da melhor maneira possível.

Tenham permissão para errar.

Leia mais: